segunda-feira, 28 de outubro de 2019

Novo presidente da Argentina pede "Lula livre" e diz que vai "lutar por sua liberdade"; Bolsonaro lamenta eleição


A Argentina tem um novo presidente: Alberto Fernández. Ele foi eleito na noite deste último domingo (27/10). No discurso da vitória, Fernández fez questão de expressar seu apoio ao ex-presidente Lula.  “Parabéns pra você, querido Lula. Espero te ver pronto [para voltar à presidência do Brasil]”, disse o presidente eleito.

Já em seu perfil no Twitter, Fernández publicou uma foto que o mostra fazendo a letra “L”, com os dedos, ao lado de sua equipe de campanha. “Um homem extraordinário que está injustamente preso há um ano e meio”, afirmou. “Feliz aniversário, querido Lula. Espero te ver em breve”, encerrou, para acrescentar a hashtag #LulaLivre

A afinidade de Fernández e de sua companheira de chapa, a ex-presidente Cristina Kirchner, com Lula e os seguimentos de esquerda no Brasil foram atacados diretamente pelo governo brasileiro.

O presidente Jair Bolsonaro chegou a insultá-los e a claramente se posicionar em favor da reeleição de Mauricio Macri. "Os Argentinos escolheram mal", disse Bolsonaro logo após o resultado das eleições ser confirmado.

A irritação atingiu níveis mais elevados depois de o próprio Fernández ter visitado Lula na Polícia Federal, em Curitiba, em julho passado.

Deixou o prédio dizendo ser a prisão do líder petista uma “máculo ao Estado de Direito” brasileiro. “Que Bolsonaro continue a falar mal de mim: ele não sabe o bem que me faz”, ironizou.



MERCOSUL 

Ao ser questionado se iria ligar para o Fernández a fim de cumprimentá-lo pela vitória, o presidente Jair Bolsonaro respondeu: “Não pretendo parabenizá-lo, não vamos nos indispor. Vamos esperar o tempo para ver a posição real dele na política”, ressaltou, para, logo em seguida, colocar em dúvida a capacidade de relacionamento entre os dois países em questões comerciais.

“Por enquanto, continua tudo bem no Mercosul. Ele disse há algum tempo que sairia do Mercosul, ao visitar Lula em Curitiba. Agora, vamos ver o banho de realidade que ele vai ter”, provocou.

“Se interferir [no Mercosul], segundo o Paulo Guedes, nós, não digo que sairemos do Mercosul, mas podemos juntar ali com o Paraguai. Não sei o que vai acontecer na eleição do Uruguai, mas decidimos se a Argentina fere alguma cláusula do acordo ou não. Se ferir, podemos afastar a Argentina. A gente espera que nada disso seja necessário fazer. Espero que Argentina não queira, na questão comercial, mudar seu rumo”, disse.