Empresas em implantação devem gerar 4,2 mil novos empregos no CIA - Jornal Camaçari - Pra quem quer mais!

quarta-feira, 2 de outubro de 2019

Empresas em implantação devem gerar 4,2 mil novos empregos no CIA

Foto: SDE

As empresas que estão em processo de implantação no Centro Industrial de Aratu (CIA) deve gerar 4,2 mil novos empregos. Atualmente há 31 empresas nesta situação com investimentos previstos na ordem de R$ 4,6 bilhões. Segundo o balanço da Secretaria de Desenvolvimento Econômico da Bahia (SDE), nos últimos anos, o CIA recebeu cerca de R$ 3,15 bilhões em investimentos privados e gerou mais de 13,7 mil empregos.

Ao todo são 119 empreendimentos implantados nas cidades de Candeias e Simões Filho, localizados na Região Metropolitana de Salvador, sendo 28 e 91, respectivamente.

"Estamos elaborando um plano de ação e intervenção no CIA, para melhoria estruturante das vias de acesso e manutenção rotineira do local. O planejamento técnico busca também fortalecer o atendimento aos empreendimentos lá instalados e prospectar novos investidores, com a oferta de incentivos fundiários ou fiscais, modelagem que será aplicada em todos os Distritos Industriais do Estado. A ideia é desenvolver a economia da Bahia e gerar novos postos de trabalho para os baianos e baianas", revelou o vice-governador João Leão, secretário de Desenvolvimento Econômico.


Entre as empresas que estão implantadas no CIA, destaca-se no volume de investimentos a Proquigel, localizado em Candeias, que injetou R$ 390 milhões na ampliação da planta industrial. Já em relação a empregos gerados, a Italsofa Nordeste, que fica em Simões Filho, criou 700 vagas na sua implantação.

Em relação às empresas que estão em fase de implantação, destaca-se a UTC Engenharia, que investiu R$ 4 bilhões e está gerando mil postos de trabalho, em Candeias. Já em Simões Filho, a Belov Offshore investiu R$ 152 milhões na ampliação e emprega 500 pessoas. Em seguida está a Aratu Log, que investiu R$ 137 milhões em investimentos e gerou 430 empregos diretos.

As atividades industriais que ocorrem no CIA, somadas às operações do Polo Industrial de Camaçari, correspondem a 10% do PIB baiano e 30% da arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) da Bahia.