segunda-feira, 22 de julho de 2019

Mais de 2 mil adolescentes são apreendidos no 1º semestre na Bahia

Foto: Alberto Maraux

Tráfico de drogas é o crime mais cometido por adolescentes apreendidos na Bahia, no primeiro semestre de 2019. De janeiro a junho deste ano, 2.401 adolescentes foram encaminhados para a Delegacia para o Adolescente Infrator (DAI), em Salvador, e também para outras unidades da Polícia Civil na RMS e no interior, após cometerem atos infracionais, como são nomeadas as ações ilícitas quando cometidas por quem é menor de 18 anos. Destes, 300 acabaram encaminhados para centros de correção ou cumprem medidas em regime de liberdade assistida. 

Segundo a titular em exercício da DAI, delegada Laís de Miranda Accioly, adolescentes de 16 e 17 anos são os mais reincidentes. “Eles geralmente são apreendidos por tráfico de drogas, roubo, ameaça, lesão corporal e roubo a coletivo”, contou. Ela ressalta também que, na maioria dos casos, os menores são flagrados com armas e drogas. “Nas ocorrências sempre recebemos esses materiais apreendidos junto com os jovens. Nos crimes de roubo a coletivo tem sido recorrente encontrá-los armados ou com simulacro”, continuou.

Para a delegada, a falta de estrutura familiar pode ser um dos fatores para tantos menores estarem envolvidos com a criminalidade. “São pessoas que muitas vezes passam necessidades financeiras, geralmente tem ausência da figura do pai. Tudo isso encontramos por aqui”, completou Accioly, acrescentando que existem casos em que o infrator rouba, mesmo tendo uma estrutura familiar sólida e uma vida estável. “Temos ocorrências envolvendo adolescentes que têm todo o conforto em casa, dorme em quartos sozinhos, estudam em bons colégios, mas querem mais luxo, então roubam para ostentar”, relatou.


Prevenção
Com o objetivo de mudar este quadro, comum em todo o país, há nove anos, as Bases Comunitárias de Segurança (BCS) da Polícia Militar buscam melhorar a realidade social, oferecer atividades de lazer e capacitação, além da conscientização de jovens, em áreas carentes, através de projetos culturais focados em educação, esporte e lazer. As unidades estão presentes em bairros de Salvador, Região Metropolitana e interior do estado.