sexta-feira, 7 de junho de 2019

Bolsonaro quer estudos sobre moeda única entre Brasil e Argentina; “peso-real”


Argentina, inicialmente, com a possibilidade de se expandir para o Mercosul (Mercado Comum do Sul).

O assunto foi tratado na quinta (6) pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, em reunião com empresários e integrantes do governo, inclusive Bolsonaro, em Buenos Aires, capital da Argentina. A moeda já teria até nome: “peso-real”.

“O Paulo Guedes nada mais fez do que dar um primeiro passo para o sonho de uma moeda única na região do Mercosul. O peso-real. Como aconteceu o euro lá atrás, pode acontecer o peso-real aqui. Pode acontecer. É o primeiro passo”, afirmou Bolsonaro.


Ao ser questionado se apoia a ideia, o presidente voltou a dizer que seu forte não é economia, mas acredita no conhecimento e patriotismo de Guedes. Ao ser indagado se o Brasil teria de “pagar um preço” devido à crise econômica pela qual vive a Argentina no caso da moeda única, Bolsonaro usou a ilustração de um casamento.

“Em todo casamento alguém perde alguma coisa, né, e ganha outras. Eu sou pelo casamento. Eu sou pela família tradicional”, afirmou.

No Twitter, o Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), levantou dúvidas sobre os impactos de uma eventual adoção o peso-real. “Será? Vai desvalorizar o real? O dólar valendo R$ 6,00? Inflação voltando? Espero que não.”, escreveu.

Guedes afirmou que, para a moeda única se tornar realidade, é preciso ajustes fiscais dos países envolvidos. Ao mesmo tempo, ponderou, é preciso aceitar riscos como o que a Alemanha assumiu na União Europeia e acabou por ganhar competitividade. Hoje é um dos países com economia mais bem-sucedida no mundo.