segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

Ministro da Secretaria-Geral, Gustavo Bebianno é demitido por Bolsonaro


Menos de dois meses após a posse do cargo, o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno (PSL), foi demitido pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) em meio a crise enfrentada pelo governo. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (18/2), pelo porta-voz da Presidência, general Otávio do Rêgo Barros, em declaração à imprensa.

“O excelentíssimo senhor presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, decidiu exonerar nesta data do cargo de ministro da Secretaria-Geral da Presidência o senhor Gustavo Bebianno Rocha. O presidente agradece sua dedicação à frente da pasta e deseja sucesso na nova caminhada”, declarou o porta-voz.


A expectativa é que a exoneração de Bebianno seja publicada na edição no Diário Oficial da União nesta terça-feira (19/2). O sucessor será o atual secretário-executivo da pasta, general Floriano Peixoto. O impasse sobre a possível saída do ministro do governo se arrastou por quase uma semana.

Questionado sobre o motivo da demissão, o porta-voz do governo disse que a razão é “de foro íntimo do presidente”. “As decisões em relação à exoneração e nomeação de ministros são de responsabilidade de nosso presidente. Não me cabe avançar em suposições”.

A decisão de demitir Bebianno foi tomada após reportagens da Folha de S. Paulo indicarem que o ministro, então presidente do PSL durante a campanha eleitoral, teria autorizado o repasse de verbas do fundo partidário para uma candidata “laranja” em Pernambuco com o suposto apoio de Luciano Bivar, atual presidente da sigla.