Salvador e Lauro de Freitas já registraram 90 casos oficiais da doença misteriosa que chama atenção desde o início do mês. A maioria dos casos suspeitos foi registrada em moradores de Salvador. Nesta sexta-feira (19), a Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) divulgou os bairros onde foram registrados 11 casos da doença. 

Foram contabilizados dois casos em Canabrava e mais dois em Fazenda Grande II. Já São Marcos, Canela, Cajazeiras, Pau da Lima, Jardim das Margaridas, Dom Avelar registraram um caso cada um. Em Lauro de Freitas também foi notificada uma ocorrência dos mesmos sintomas. E as outras 79 foram registradas em um mesmo condomínio de Patamares. 

Acompanhe todas as nossas notícias no Instagram, clique aqui e siga-nos. 

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), devido ao número alto, já é considerado um surto no bairro Patamares. Outros quatro casos, apontados pela Sesab, ainda estão em análise no Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen). 

As hipóteses sobre o que exatamente é a doença ainda não estão claras, conforme explicou Antônio Bandeira, presidente da Associação Baiana de Infectologia (SBI), que está ajudando nas investigações com os órgãos da saúde. 

O infectologista apontou que ainda existem muitas amostras que vão passar por análise. Inicialmente, a desconfiança é de que não se trata de uma doença contagiosa.  Porém, ainda não foi descartada a possibilidade de transmissão por algum tipo de vetor: animais como fungos e mosquitos também estão sendo analisados. Segundo Bandeiro, um primeiro relatório deve ser emitido até o início da próxima semana.

“Ainda precisamos buscar informações com pacientes, analisar os exames que já foram coletados e ter uma ideia melhor do que pode ser a doença. Não há nenhuma hipótese definitiva”, afirmou o médico.
Bandeira ainda revelou que os primeiros testes “deixaram muito claro de que não se trata de alergia, como se pensava inicialmente. Também não parece ser nenhum tipo de sarna ou arbovirose, como dengue e chikungunya”.

O que se sabe até agora:

Primeiro caso foi registrado em agosto, em um condomínio no bairro de Patamares;
Outros moradores do mesmo condomínio passaram a apresentar os mesmos sintomas;
Os moradores relatam primeiro sentir uma dor rápida, que chamam de pinicada;
Em seguida as manchas vermelhas e a coceira aparecem;
Os sintomas duram entre 5 e 6 dias;
Cremes, pomadas e hidratantes estão sendo utilizados para aliviar a coceira;
As pessoas têm idades entre 4 e 64 anos;
O CCZ e a Fiocruz instalaram armadilhas no entorno do condomínio;
O condomínio Le Parc desmentiu boatos de que houve casos da doença na unidade;
A SMS registrou 79 casos em um mesmo condomínio em Patamares;
Sesab confirma 11 casos - 10 em Salvador e 1 em Lauro de Freitas.

Com informações do Correio