O inquérito sobre a morte do mestre de capoeira Moa do Katendê – que aponta a discussão político-partidária como motivação para o assassinato, ocorrido em um bar de Salvador – foi concluído pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e encaminhado ao Ministério Público Estadual na última segunda-feira, 15. A informação foi divulgada pela Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) nesta quarta, 17.

Moa foi esfaqueado por Paulo Sérgio Ferreira de Santana, de 36 anos, após uma discussão dentro de um bar no Dique Pequeno, no bairro do Engenho velho de Brotas. As investigações chegaram à conclusão de que se tratou de um crime motivado por discordâncias políticas após o depoimento de Paulo e do dono do bar, além de outras testemunhas.

Segundo a SSP-BA, assim que Moa anunciou suas preferências políticas, Paulo pagou a conta e foi até a sua residência, voltou ao estabelecimento e atingiu o mestre de capoeira com 12 facadas pelas costas. Um primo da vítima também ficou ferido.

A Tarde