O candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes, derrotado no primeiro turno, divulgou um vídeo neste sábado (27) no qual diz que não quer tomar lado na disputa presidencial e pede que a população vote pela democracia, contra a intolerância e pelo pluralismo.

Ele afirmou também que "ninguém está obrigado a votar contra convicções e ideologias".

Ciro acrescentou que decidiu não se posicionar por uma "razão muito prática", mas não quis revelar, neste momento, qual o motivo, porque, se não pode ajudar, não quer "atrapalhar".

Neste domingo (28), os eleitores vão decidir quem será o presidente do Brasil pelos próximos quatro anos. Fernando Haddad (PT) e Jair Bolsonaro (PSL) disputam o segundo turno.

"Claro que todo mundo preferia que eu, com meu estilo, tomasse um lado e participasse da campanha. Mas eu não quero fazer isso por uma razão muito prática, que eu não quero dizer agora, porque, se eu não posso ajudar, atrapalhar é o que eu não quero", disse Ciro.
"Eu quero que Deus, como disse lá no primeiro dia, abençoe essa grande nação para que todo mundo possa caminhar amanhã para votar, votar compreendendo a necessidade de votar com a democracia, votar contra a intolerância, votar pelo pluralismo", completou o pedetita.

Uma declaração pública de apoio de Ciro era esperada pela campanha do candidato do PT, Fernando Haddad, desde o fim da votação do dia 7 de outubro. Três dias após o primeiro turno, o PDT se reuniu e decidiu dar “apoio crítico” ao petista, mas afirmou que não participaria da campanha.

O PT costurou acordos com o PSB para disputas regionais, o que ajudou a isolar o PDT na disputa ao Planalto.

Em sabatina na TVE Bahia, nesta sexta (26), Haddad disse que ainda esperava uma declaração mais contundente de apoio de Ciro Gomes.

"Eu espero um gesto do Ciro, até porque eu já fiz vários a ele. [...] Do meu ponto de vista, o Ciro é um amigo, é uma pessoa que tem uma folha de serviços prestados muito importantes, e agora com a volta dele esperamos uma declaração de apoio", disse Haddad.

Mais cedo, neste sábado, o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa declarou voto em Haddad e disse que a candidatura de Jair Bolsonaro "inspira medo".

G1