PMN entrará com representação contra Luiz Caetano por atitude de incitar a violência



O partido da Mobilização Nacional (PMN) entrará com representação contra o candidato a deputado federal Luiz Caetano (PT). O petista descumpriu circular emitida pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-BA) de Camaçari durante desfile cívico em Vila de Abrantes, realizado no último domingo (23), ao ligar carro de som antes do horário permitido e invadir área reservada à população.

Acompanhe todas as nossas notícias no Instagram, clique aqui e siga-nos.

Além disso, a postura de Caetano, que concorre a eleição por meio de liminar após STJ manter condenação e ele ser enquadrado na Lei da Ficha Limpa, e de militantes do PT ao tirarem o espaço do grupo do candidato a deputado Federal Heckel Pedreira (PMN) colocou em risco a integridade de várias pessoas, de acordo com a assessoria do partido. O tumulto teria começado quando o grupo liderado por Caetano para o confronto com o grupo do candidato a deputado estadual e vice-prefeito de Camaçari, Tude (DEM)


“A ação de Luiz Caetano em empurrar nosso grupo foi totalmente irresponsável. Participamos do desfile com famílias inteiras: crianças, jovens mulheres grávidas, idosos numa linda festa. A confusão causada pelos militantes liderados pelo candidato ficha suja, que de cima do trio incitou as pessoas com o objetivo e desejo de confronto aberto”, disse Paulo Moraes, advogado do PMN.

Ainda segundo a assessoria do partido, “a Polícia Militar interviu em alguns momentos mas em seguida, sem explicação, se retirou do local deixando os grupos políticos expostos a selvageria comandada covardemente de cima do trio elétrico”.

Moraes informou que, temendo pela integridade de seu grupo, o candidato Heckel Pedreira retirou, de forma responsável, as pessoas do desfile sendo o último a sair da avenida garantindo que todos estavam bem.

“Tentamos dialogar, mas não foi possível devido o candidato petista incitar a todo momento que seus apoiadores seguissem adiante passando inclusive por cima de viatura”, disse Moraes.

Representação Judicial                                              

O advogado informou ainda que, no último dia 13 de setembro, o Juiz Eleitoral do Tribunal Regional do Trabalho (TRE), Ricardo José Vieira de Santana, da 171º Zona Eleitoral, Camaçari, enviou para todos os partidos políticos e coligações partidárias ofício informando que era terminante proibido o uso de carro de som durante o período do desfile e até uma hora após o seu término.

O descumprimento das determinações, de acordo com o ofício, resultaria em implicações da legislação eleitoral e penal, além de apreensão dos veículos envolvidos. “Caetano e seus militantes descumpriram uma circular emitida pelo juiz. O petista, após om STJ ter mantido sua condenação por improbidade administrativa continua mostrando que não sabe seguir leis. Está no histórico dele”, afirmou Moraes.

O advogado do PMN afirmou ainda que o grupo de Caetano danificaram patrimônio público durante o desfile. “Os militantes do PT quebraram uma viatura da Superintendência de Trânsito e Transporte (STT) de Camaçari. Eles agiram de forma irresponsável e violenta e Caetano nada fez para evitar tudo isso”, concluiu o advogado do PMN.

Ascom