Foto: Arimacs Wilander/ AP


O número de mortos nos terremotos e no tsunami que atingiram a ilha indonésia de Sulawesi dobrou e chegou a 832 em um balanço divulgado neste domingo (30). Porém, esse número pode subir, pois dezenas de pessoas seguem desaparecidas e mais de 500 estão feridas - muitas em estado grave.

Estima-se que 350 mil pessoas tenham sido afetadas pelo terremoto ou pelo tsunami, sendo que 16.732 estão desabrigados ou deslocados desde sexta-feira (28).

A maioria das vítimas foi registrada em Palu, cidade com cerca de 350 mil habitantes na costa oeste da ilha, de acordo com a Agência Nacional de Gestão de Desastres (BNPB, sigla em indonésio). Onze pessoas morreram na vizinha Donggala, a segunda cidade mais afetada.

Na sexta-feira (28), uma série de terremotos abalou a ilha indonésia de Sulawesi. Um deles, de magnitude 7,5, levou à formação de um tsunami de pelo menos dois metros. A BNPB confirmou a formação do tsunami depois que vários vídeos foram divulgados nas redes sociais, mas ainda não se sabe a extensão exata da tragédia, porque há áreas isoladas.

As buscas por sobreviventes continuam. Há informações de que dezenas de pessoas estariam presas nos escombros de dois hotéis e um shopping na cidade de Palu. Uma mulher foi retirada com vida dos destroços do Hotel Roa Roa, onde estariam até 60 pessoas. Centenas de pessoas se reuniram no shopping destruído em busca de familiares, segundo a Reuters.

A Cruz Vermelha Internacional alertou que ainda há pouca informação sobre Donggala, mas que a situação pode ser "extremamente preocupante". Cerca de 300 mil habitantes vivem na cidade.

As falhas nas comunicações têm dificultado os trabalhos das equipes de busca e salvamento. As agências internacionais falam em centenas de feridos, que recebem tratamento médico em tendas improvisadas.

O porta-voz da BNPB, Sutopo Purwo Nugroho, afirmou que um enterro em massa será realizado na cidade de Palu, por questões de segurança sanitária.

G1