Professora leva tapa no rosto, cai no chão e sofre pontapés de aluna de 13 anos na Bahia



Uma aluna de 13 anos agrediu uma professora com tapas, socos e pontapés no município de Teixeira de Freitas, extremo sul da Bahia. A agressão teria ocorrido após a professora ter pedido para que a estudante não se sentasse no braço da cadeira escolar.

A situação ocorreu na sexta-feira (23), na Escola Clélia das Graças Figueiredo Pinto, e provocou um ato simbólico na unidade ensino, que fica no bairro de Santa Rita, na manhã desta segunda-feira (26). Na ocasião, estudantes e professores deram um abraço simbólico na escola pedindo paz.

A Secretaria Municipal de Educação e Cultura diz que a professora agredida, que não teve o nome divulgado, é titular do turno da manhã e que, no dia da agressão, estava cobrindo uma colega que estava sob atestado médico no turno da tarde.

Ao pedir para que a estudante se levantasse do braço da cadeira, a professora foi atacada pela aluna e recebeu um tapa no rosto. Os óculos dela acabaram quebrando com a agressão. Após o tapa, a professora de Português caiu e continuou sendo agredida com socos e pontapés.

A estudante, que também não teve o nome divulgado, foi expulsa e o caso foi remetido ao Ministério Público da Bahia (MP-BA). A professora, que com a quebra dos óculos acabou sofrendo algumas escoriações no rosto, está sob atestado e afastada da sala de aula até a quarta-feira (28).

Por meio de nota, a secretário municipal de Educação e Cultura, Hermom Lopes, divulgou nota prestando solidariedade à professora e disse que ela foi "violentamente agredida por uma estudante em sala de aula".

Na nota, Lopes falou sobre os papéis da escola e da família. "A escola ensina português, matemática, história, geografia, inglês, artes e educação física. É responsabilidade da família ensinar valores morais, éticos, o respeito e dar amor às crianças. A escola ensina, a família educa".