A cidade de Camaçari, na região metropolitana de Salvador, registrou um aumento de 475% de casos de "esporotricose" em humanos, de 2015 a 2017. A micose causada pelo fungo da espécie sporothrix spp pode ser transmitida para pessoas e também para animais, em especial os gatos.

A Secretaria de Saúde do Município entrou com um pedido de inclusão da doença, que causa feridas na pele, na lista de notificação obrigatória da rede pública para que todos os casos suspeitos sejam registrados.



Em 2017, foram confirmados 23 casos da doença. Já em 2016, foram 16 casos. Em 2015, foram quatro casos confirmados. Neste ano, já são dois casos registrados em três meses.

A diretora de vigilância em saúde do município, Fátima Guirra, diz que apesar do aumento no número de casos, não é considerado um surto.

“Não é surto porque o surto ocorreu em felinos em 2015. Foi uma concentração no bairro de Camaçari de Dentro. O surto foi resolvido. Estamos com casos distribuídos em vários bairros. São dois casos. Mas em 2017, o risco estava em 5 por cem mil habitantes”, afirma.

A doença é transmitida pelo solo e, por isso, conhecida como “doença do jardineiro”. A mão ou pé com ferida pode ser porta de entrada para o fungo.

No entanto, animais infectados, principalmente felinos, também podem transmitir o fungo para seres humanos por meio de contato direto com a pele lesionada do animal.