UPA da Gleba A e HGC: Camaçari só merece isso?

janeiro 16, 2018


Qual é o real interesse do governo municipal em diminuir o atendimento emergencial de Camaçari? 

Será que é sobrecarregar uma unidade que intitula-se do governo do estado para se beneficiar do caos instalado? 

Ou a mais improvável sobra de profissionais e atendimento a população que depende do serviço do SUS? 

São muitas perguntas, poucas respostas e muito sofrimento. Não é possível aceitar em sã consciência nem pensar na possibilidade do fechamento de uma das mais importantes e tradicionais unidade de atendimento que é a Nova Aliança. O Secretário de Saúde Elias Natan e a Prefeitura de Camaçari, deveriam se envergonhar de uma ideia estapafúrdia e mesquinha. Pelo menos tiveram tempo de mudar de ideia regado claro aos apedrejamentos de uma sociedade que sabe das suas necessidades e está longe de ser cega.

A prefeitura por meio de nota, esclareceu que não iria fechar a UPA e sim transforma-la em uma unidade pediátrica. Na ocasião muitos papagaios de piratas copiaram o discurso de que a população estava contra a criação da unidade pediátrica. Ora! quem seria  contrario a criação do atendimento à crianças? A questão é que quem mora nos bairros do PHOC I, II e III, Glebas E, H e C, Buri Satuba, Parque Verde e Dos 46 teriam que se deslocar em situação de emergência para UPA da Gleba A ou HGC que mesmo com a existência da UPA da Nova Aliança já encontrava-se sem condições de atender satisfatoriamente os munícipeis.
Conselho não se dá, se vende, mas este aqui vai sair de graça, pois não é  nenhum segredo: Deixem a UPA da Nova Aliança e façam a emergência pediátrica que será muito bem-vinda. Não precisa abrir mão de algo essencial para ter outro algo essencial, isso vale tanto pro lugar mais pobre quanto ao que tem milhões em caixa todos os dias. 

Conteúdo de Opinião
 Quebra-Queixo
 Jornal Camaçari





Outras Notícias
© Improta e Andrade Comunicação LTDA
Camaçari em Foco Notícias